Sejam Todos Muito Bem Vindos!!!! :)

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Poema do Mês - Maio




Prelúdio / Mãe Negra

Alda Lara

Pela estrada desce a noite
Mãe-Negra desce com ela.

Nem buganvílias vermelhas,
nem vestidinhos de folhos,
nem brincadeiras de guizos
nas suas mãos apertadas...

Só duas lágrimas grossas,
em duas faces cansadas.

Mãe-Negra tem voz de vento,
voz de silêncio batendo
nas folhas do cajueiro...
tem voz de noite descendo
de mansinho pela estrada.

... Que é feito desses meninos
que gostava de embalar?
Que é feito desses meninos
que ela ajudou a criar?
Quem ouve agora as histórias
que costumava contar?...

Mãe-Negra não sabe nada.
Mas ai de quem sabe tudo,
como eu sei tudo,
Mãe-Negra...

É que os meninos cresceram,
e esqueceram
as histórias
que costumavas contar...
Muitos partiram pra longe,
quem sabe se hão de voltar!...

Só tu ficaste esperando,
mãos cruzadas no regaços,
bem quieta, bem calada...

É tua a voz deste vento,
desta saudade descendo
de mansinho pela estrada...



Resistência Africana-Antologia Poética, Diabril Editora, 1975 - Lisboa, Portugal



1.º de Maio - Dia do Trabalhador



Todos os anos, no dia 1 de Maio, comemora-se, em todo o mundo, o Dia do Trabalhador. No séc. XIX, abusava-se muito dos trabalhadores, que chegavam a trabalhar entre 12 e 18 horas por dia, o que era muito cansativo e até prejudicial à saúde!

No dia 1 de Maio de 1886, nos Estados Unidos da América, milhares de trabalhadores de Chicago juntaram-se nas ruas para protestar contra as más condições de trabalho e lutar pelas 8 horas de trabalho diárias. A manifestação e os acontecimentos seguintes deviam ter sido pacíficos, mas várias pessoas foram feridas e mortas só por estarem a lutar pelos seus direitos.

Em 1889, o Congresso Internacional em Paris decidiu que o dia 1 de Maio passaria a ser o Dia do Trabalhador, em homenagem aos "mártires de Chicago". Em 1890, os trabalhadores americanos conseguiram alcançar a sua meta das 8 horas de trabalho diárias!

E em Portugal?

Em Portugal, devido ao facto de ter havido uma ditadura durante muito tempo, só a partir de Maio de 1974 (o ano da revolução do 25 de Abril) é que se passou a comemorar publicamente o Primeiro de Maio.

E só a partir de Maio de 1996 é que os trabalhadores portugueses passaram a trabalhar 8 horas por dia, mais de cem anos depois da revolução em Chicago.


Visita de Estudo ao MARL



No passado dia 24 de março, as turmas do 2ºano realizaram uma visita de estudo ao Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL), em Loures, no âmbito do programa “5 ao dia”. Trata-se de um grande mercado que fornece frutas, legumes, peixe e flores às lojas e mercearias da região.

Durante a visita, fomos acompanhados pela guia Susana, que nos levou ao pavilhão das frutas e legumes. O MARL abre às 18 horas, porque durante o dia as lojas estão a funcionar e só têm tempo de vir buscar os produtos fora do seu horário de abertura ao público.

Primeiro, observámos algumas frutas, como: morangos (grandes e com aspeto delicioso), várias espécies de maçãs, peras, limões, abacates, mamões, mangas, maracujás, laranjas, pêssegos, anonas, quivis, dióspiros, ananases, papaias e bananas. Também apreciámos alguns legumes como: batata-doce, cenoura, abóbora, feijão verde, ervilha torta, curgete, brócolos, rabanetes, tomate cereja e chucha, favas, pimento, pepino, beterraba e vários tipos de couves.  Para terminar esta parte da visita, fomos conhecer um pouco do recinto do MARL e ainda observámos exteriormente outros pavilhões, como o pavilhão do peixe, o da fábrica “Science for You”, e o pavilhão das flores. Percebemos também que existem painéis fotovoltaicos instalados, que fornecem energia, bem como um reservatório de água que abastece o MARL.

Depois, dirigimo-nos para o espaço do programa “5 ao dia” para realizarmos algumas atividades. O programa tem este nome porque, de acordo com as recomendações médicas atuais, devemos comer 5 porções de fruta e legumes por dia. Assistimos a um filme – Nutri Ventures - sobre os sete reinos da nutrição. A seguir, fizemos um jogo de olhos vendados que consistia em adivinhar o fruto através do olfato e do paladar.

Concluímos as atividades com a confeção de uma salada de frutas. Todos os alunos cortaram fruta que depois se misturou num recipiente e se regou com sumo de limão para não oxidar. Depois, a salada foi distribuída em embalagens individuais para os alunos comerem ao lanche.

Todos os alunos gostaram desta visita; foi bastante divertida e todas as crianças puderam aprender mais sobre a importância da fruta e dos legumes para a saúde.


Texto colectivo







Poema do Mês - Abril



As Mãos

Com mãos se faz a paz se faz a guerra. Com mãos tudo se faz e se desfaz. Com mãos se faz o poema – e são de terra. Com mãos se faz a guerra – e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra. Não são de pedras estas casas mas de mãos. E estão no fruto e na palavra as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no Tempo como farpas as mãos que vês nas coisas transformadas. Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor cada cidade. Ninguém pode vencer estas espadas: nas tuas mãos começa a liberdade.


Manuel Alegre, O Canto e as Armas, 1967

sexta-feira, 10 de março de 2017

Poema do mês de Março


(alusivo ao Dia do Pai, que se celebra a dia 19 de março)




Ter Um Pai

Ter um Pai! É ter na vida
Uma luz por entre escolhos;
É ter dois olhos no mundo
Que veem pelos nossos olhos!

Ter um Pai! Um coração
Que apenas amor encerra,
É ver Deus, no mundo vil,
É ter os céus cá na terra!

Ter um Pai! Nunca se perde
Aquela santa afeição,
Sempre a mesma, quer o filho
Seja um santo ou um ladrão;

Talvez maior, sendo infame
O filho que é desprezado
Pelo mundo; pois um Pai
Perdoa ao mais desgraçado!

Ter um Pai! Um santo orgulho
Pró coração que lhe quer
Um orgulho que não cabe
Num coração de mulher!

Embora ele seja imenso
Vogando pelo ideal,
O coração que me deste
Ó Pai bondoso é leal!

Ter um Pai! Doce poema
Dum sonho bendito e santo
Nestas letras pequeninas,
Astros dum céu todo encanto!

Ter um Pai! Os órfãozinhos
Não conhecem este amor!
Por mo fazer conhecer,
Bendito seja o Senhor!

Florbela Espanca



14 de fevereiro - Dia dos Afetos




O dia 14 de fevereiro foi comemorado pelas turmas da Escola Condes da Lousã com a já tradicional troca de postais. E, como o Amor anda sempre de mãos dadas com a Amizade, cada aluno teve a oportunidade de redigir uma mensagem e ilustrar um postal para o seu “amigo secreto”.  Estas mensagens foram colocadas no marco postal e foram posteriormente distribuídas. Os alunos acolheram esta iniciativa com agrado e ficaram radiantes ao receberem os postais.









terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Poema do Mês de Fevereiro



Todas as cartas de amor são ridículas



Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)

Álvaro de Campos
Heterónimo de Fernando Pessoa 



quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Poema do Mês de Janeiro




Diz o Avô
Tens cabelos brancos.
Mas porquê, avô?
Caiu muita neve
na estrada onde vou.

Tens rugas na face.
Mas porquê, avô?
Bateu muito sol
na estrada onde vou.

Tens olhos baços.
Mas porquê, avô?
Pousou nevoeiro
na estrada onde vou.

Tens calos nas mãos.
Mas porquê, avô?
Parti muita pedra
na estrada onde vou.

Tens coração grande.
Mas porquê, avô?
Nele mora a gente
que por mim passou.

Luísa Ducla Soares, A Cavalo no Tempo,
Porto Editora, 2015 (págs. 50-51)


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

As Nossas Festividades de Natal...



A nossa Festa de Natal decorreu no penúltimo dia de aulas do primeiro período e foi recheada de canções, danças, poemas natalícios e muita alegria. Todos participaram e divertimo-nos à grande!

Já na manhã do último dia de aulas, como é tradição, tivemos connosco a divertida companhia de teatro e animação Além Sonho, que nos apresentou uma divertida peça de teatro intitulada “A Lenda do Pai Natal”, baseada no livro com o mesmo nome.

A peça aborda o mito da figura do Pai Natal, explicando como este surgiu e se imortalizou. Para nos contar a vida de Klaus ou Claus, surgem, da Lapónia, dois animados elfos chamados Arco e Flecha que, cheios de humor e canções, nos envolvem fantasticamente na cena.

Foram dois dias muito divertidos para todos os que estiveram presentes.

Resta-nos agora desejar a toda a comunidade educativa e a todos os que nos seguem um excelente 2017!